Lesões no mecanismo extensor dos joelhos

O mecanismo extensor do joelho é formado basicamente pelo músculo e tendão quadricipital, patela e o tendão patelar.

A sua principal função é realizar a extensão do joelho, ou seja, esticar joelho. Quando algum dos componentes do mecanismo extensor dos joelhos não funciona adequadamente observa-se a falha ou dificuldade em esticar o joelho. Essas alterações podem ser congênitas ou tramáticas.

As alterações traumáticas que podem ocorrer são a ruptura do tendão quadricipital, fratura de patela ou lesão do tendão patelar.

Para romper o mecanismo extensor dos joelhos sadio é necessária uma força de 17,5 vezes o peso corporal. Quando lesões no corpo do tendão quadricipital são observadas, em geral trata-se de um tendão doente, podendo ocorrer rupturas atraumáticas.

Tratamento da tendinite patelar >
Tratamento da tendinite quadricipital >

Estudos mostram que 76% dos pacientes acometidos por lesões do mecanismo extensor dos joelhos possuem uma predisposição médica para tal, como: Doenças sistêmicas (diabetes, insuficiência renal crônica, hiperparatireodismo, uremia, artrites inflamatórias); uso crônico de corticoides e fluoroquinolonas; e tendinopatias.

Lesões no mecanismo extensor dos joelhos 2

Lesões do Tendão do Quadríceps

Lesões do tendão quadricipital são 3x mais comuns do que lesões do tendão patelar e em sua maioria ocorrem em pacientes acima de 40 anos.

Saiba mais >

Fratura de Patela

A fratura da patela, como dito anteriormente, pode levar a um grave comprometimento do mecanismo extensor. Esse tipo de fratura representa cerca de 1% de todas as possíveis lesões ósseas do corpo, e suas causas principais são quedas, traumas ou súbitas contrações musculares.

Saiba mais >

Lesões do Tendão Patelar

As lesões do tendão patelar são menos comuns que a quadricipital, ocorrem em sua maioria em pacientes com menos de 40 anos, o trauma pode ser direto ou indireto, a ruptura é mais comum no polo inferior da patela. Quando ocorre em ambos os joelhos geralmente estão associadas às seguintes patologias clínicas (LUES, IRC, AR, Hiperparatireodismo).

Saiba mais >

MUITO BOM! VOCÊ LEU TODO O CONTEÚDO. Ficou alguma dúvida? Deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Deixe um comentário