Lesão parcial do ligamento cruzado anterior: operar ou não?

Sobre a ruptura do LCA

A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) é muito frequente nos esportes, principalmente nos de contato físico e mudança brusca de direção e desaceleração. Uma das funções do ligamento é a de estabilizar o joelho, evitando a “anteriorização” e a rotação interna da tíbia em relação ao fêmur, principalmente estando o joelho entre 30 a 40 graus de flexão.

Evidências científicas indicam que há forte relação entre a falta de condicionamento físico e o preparo neuromotor com especificidade para determinado esporte e a lesão desta estrutura. Isso explica o índice maior desta lesão em atletas amadores em relação aos profissionais.

Estatisticamente, mulheres têm maior chance de sofrer a lesão em relação aos homens, e a isso estariam ligados fatores hormonais, anatômicos e neuromusculares. As lesões completas do LCA em pacientes jovens e ativos são, por consenso, de tratamento cirúrgico, pois, uma vez rompido, o ligamento tem potencial pobre de cicatrização.

Lesão parcial do ligamento cruzado anterior

Por que lesões parciais do LCA ocorrem?

O LCA é uma estrutura composta por duas bandas: a anteromedial e a posterolateral. Lesões de baixa energia cinética como entorses leves ou quando o joelho é esticado além de seus limites fisiológicos, pode lesionar uma das bandas ou ambas, mas sem a ruptura completa. Em outras palavras: o LCA estica, mas não chega a se romper completamente.

Diagnóstico da lesão parcial do ligamento cruzado anterior

Assim como em outras lesões, o diagnóstico da lesão parcial do ligamento cruzado anterior depende muito da qualidade do examinador. Durante o exame físico, é importante que as manobras ligamentares sejam realizadas e sempre comparadas com o lado contra-lateral.

Os exames de imagem, principalmente a ressonância magnética devem ser analisados com cuidado. Imagens de qualidade ruim podem trazer um falso positivo. Por isso, assim como para qualquer lesão ortopédica, a correlação clínico-radiográfica é de suma importância.

Tratamento: operar ou não?

Depende do paciente e dos sintomas provocados pela da lesão parcial do ligamento cruzado anterior. Hoje em dia, o consenso mundial é de se indicar a cirurgia de reconstrução para as seguintes situações:

Atletas: o atleta pode ter queixas de instabilidade com consequente comprometimento no rendimento.

Pessoas ativas sintomáticas: esportistas que sentem falseio ou que perderam a confiança na estabilidade.

Outras lesões associadas: uma lesão completa do menisco medial, ao ser tratada, pode aumentar a instabilidade de uma lesão parcial do LCA.

Tratamento conservador da lesão parcial do ligamento cruzado anterior

Um trabalho fisioterápico para fortalecimento do músculo anterior da coxa (quadríceps) e a introdução de exercícios de equilíbrio (proprioceptivos) são medidas de suporte. Nesta fase, o indivíduo com da lesão parcial do ligamento cruzado anterior precisa trocar a atividade esportiva que pratica outras atividades. Natação, ciclismo e, em alguns casos, até mesmo a corrida. Além de evitar a sensação do falseio, estes exercícios também auxiliam na manutenção da capacidade física. O ganho de força é fundamental. Retorno gradual para o esporte, após 8 meses.

MUITO BOM! VOCÊ LEU TODO O CONTEÚDO. Ficou alguma dúvida? Deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Vídeo explicando sobre a lesão parcial do ligamento cruzado anterior (LCA)

Perguntas frequentes

Como é tratada a rotura parcial do ligamento cruzado?

A rotura parcial de ligamento cruzado anterior pode frequentemente ser tratada sem recurso a cirurgia. A rotura total do ligamento cruzado anterior (ou ruptura completa) ocorre quando todas as fibras do LCA são lesadas, provocando instabilidade no joelho.

Como é a ruptura parcial do ligamento cruzado?

Ruptura parcial de um ligamento é uma ruptura que não compromete toda a espessura do mesmo, ou seja, não é completa; ainda existindo algumas fibras se inserindo no osso. As rupturas parciais do ligamento cruzado podem ser na inserção femoral, inserção tibial ou dentro da substância do tendão.

Compartilhe essa informação!

Deixe um comentário