6 tipos de ruptura do menisco medial ou lateral

Lesão do menisco ou ruptura

A lesão do menisco (ou ruptura) é uma lesão do joelho bastante frequente, que causa dor na articulação do joelho.
Existem dois meniscos no joelho que se encontram entre o fêmur e a tíbia.
São compostos por fibrocartilagem e possuem uma forma semicircular que se adapta à superfície articular da tíbia.

Um menisco está na parte interna do joelho, enquanto o outro está do lado de fora.

O menisco que quebra mais facilmente é o medial, porque tem uma péssima mobilidade, se o joelho se move muito rapidamente o menisco interno pode esticar demais causando uma lesão.
A incidência e a frequência da lesão do menisco estão crescendo, pode afetar qualquer um. Contudo os atletas que praticam esportes de contato são mais susceptíveis, principalmente os jogadores de futebol.
A prevenção de fissuras meniscais é muito difícil, o fortalecimento dos músculos do joelho e quadril é a única maneira de reduzir o risco.

O paciente com lesão do menisco pode andar, geralmente não sente dor quando caminha no plano, mas uma longa caminhada pode agravar a inflamação.

Conheça as principais causas de dor no joelho >

Qual parte do menisco se quebra?

Existem vários tipos de lesão de menisco, o diagnóstico da ruptura do menisco é crucial porque apenas algumas lesões podem ser operadas.
A ruptura ocorre mais frequentemente no corno posterior do menisco medial, enquanto no corno anterior do menisco lateral é mais raro.

Lesão nas bordas desgastadas
O dano no menisco pode ser simplesmente uma borda desgastada.
O cirurgião pode remover a borda danificada na esperança de que a parte do menisco desgastado seja pequena.
No caso onde todo o menisco é desgastado, a função do amortecedor é gravemente prejudicada, a conseqüência é que a cartilagem nas extremidades do fêmur e da tíbia é sobrecarregada. Neste caso é possível desenvolver a artrose precoce do joelho.

1 – O que é meniscose?

O menisco também pode se danificar devido ao desgaste, pode degenerar como artrose nas articulações, neste caso indica uma meniscose.

Esta doença típica dos idosos e adultos velhos é caracterizada por uma erosão lenta da fibrocartilagem, mesmo na ausência de lesões diretas ou indiretas.
Os sintomas da degeneração do menisco são dor nos últimos graus de flexão e durante a caminhada ou a corrida.

2 – Lesão radial

A lesão radial começa ao longo da borda interna do menisco e cruza completamente ou parcialmente. Esse tipo de quebra muitas vezes ocorre no menisco lateral.
Quando uma lesão radial do menisco é pequena, é difícil identificar, mas quando ela cresce e se torna uma ruptura completa é chamada bico de papagaio, parece como uma perda de um pedaço do menisco.

3 – Lesão do tipo bico de papagaio

Com o tempo a lesão cresce e começa a causar um bloqueio articular durante o movimento. A lesão do bico de papagaio é causada por trauma, esforço repetitivo ou trabalho pesado e muitas vezes ocorre junto com outras lesões.
A parte interna não cicatriza devido à falta de vascularização nesta área, portanto, o cirurgião remove a parte do menisco.
O importante é curar a porção externa, porque é mais importante para o joelho, chamada de muro.
A lesão do menisco radial é frequentemente associada com a ruptura do ligamento cruzado anterior (LCA).

4 – Lesão longitudinal e circunferencial

Uma lesão longitudinal estende-se longitudinalmente na direção das fibras de colágeno que corre paralelo à borda do menisco. Este tipo de ruptura divide o menisco em uma seção interna e externa.
No entanto, a ruptura geralmente não toca a borda do menisco. Geralmente se encontra mais do lado medial e é causada por movimentos repetitivos.
Geralmente começa como uma laceração parcial no corno posterior que também pode cicatrizar espontaneamente.

5 – Lesão meniscal em alça de balde

Se a fratura longitudinal não cicatriza adequadamente pode provocar uma lesão com deslocamento, conhecida como lesão em alça de balde.
Ista é uma ruptura completa de cima para baixo, mas nunca toca a borda interna do menisco.
Existe um risco que a alça possa virar e causar o bloqueio do joelho, que impede a extensão.

Este tipo de lesão representa o 10% de todas as rupturas do menisco e provoca o bloqueio em flexão do joelho. Podemos observar mais frequentemente em atletas jovens e ocorre em 50% das lesões do cruzado anterior.

6 – Lesão horizontal

Uma fratura horizontal começa como uma ruptura na parte mais profunda do menisco.
Essa lesão separa o menisco em uma seção superior e uma inferior (como um pão fatiado).
Muitas vezes não é visível e se move do corno posterior ou dá metade para a parte interna do menisco.

Muitas vezes ocorre no menisco lateral, no entanto, pode ocorrer em ambos os meniscos.

Uma ruptura com desvio horizontal pode desenvolver a laceração se não for curada.
Este tipo de ruptura do menisco é horizontal na superfície do menisco e cria uma borda que se solta quando o joelho se move, portanto o paciente irá sentir um clique ao tentar dobrar a perna.
Para entender melhor esta lesão, é necessário pensar ao menisco como se fosse dividido em duas partes, uma parte daquela superior se separa e vira, o resultado final é semelhante a um livro aberto.
Ocorre devido a uma grande força que quebra o menisco de dentro; pode facilmente tornar-se uma lesão complexa, se não curada.

O que fazer? Como curar uma lesão meniscal horizontal?

O cirurgião remove a borda inferior durante a cirurgia para evitar mais rasgos.
Dado que a periferia do menisco não é comprometida e manteve-se bastante fibrocartilagem, após a cirurgia a função do amortecedor do menisco é mantida.
Se este rasgo estende-se desde o ápice do menisco para a borda externa, é possível desenvolver um cisto meniscal (uma massa que se desenvolve a partir de um acúmulo de líquido sinovial ao longo da borda exterior do menisco).

Respostas para mais questões comuns sobre os meniscos aqui >

MUITO BOM! VOCÊ LEU TODO O CONTEÚDO. Ficou alguma dúvida? Deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Compartilhe essa informação!
ortopedista de joelho
ortopedista de joelho

Dr. Márcio R. B. Silveira, criou a Clínica Salus Ortopedia e Fisioterapia em Brasília-DF, para atuar principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *